segunda-feira, 6 de abril de 2009

DE VOLTA DA DRAVE

E já estamos outra vez em casa, em Anta, que assim dito parece tão curto e eu gostava mais que se chamasse oficialmente S.Martinho de Anta. Bem, estamos em casa depois de 3 dias na BNIV. A mim soube-me (MUITO) a pouco porque 3 dias mal chegam para inspirar a Drave, mas não há calendário que resista às nossas vidas de trabalho. E 3 dias são melhores que nada.

Partimos separados, 5 à tarde e 5 à noite. Eu apanhei a primeira carreira e portanto fui das primeiras a dar de caras com o Bicho que nos ia levar lá abaixo. Foi uma viagem emocionante, fizemos algumas nódoas negras e pensámos que íamos morrer 2 ou 3 vezes. Tudo normal e nada de novo, ainda nos esperavam 2 subidas e 2 descidas bem íngremes para conseguirmos levar todo o material para a aldeia, e a montagem das tendas. Não estávamos era à espera de nos encontrarmos completamente sozinhos e sem o staff para nos indicar as regras do jogo. Mas ainda bem, afinal era isso mesmo que queríamos e o que tínhamos conseguido durante 4 dias da outra vez. Aposto que os espanhóis que lá aterraram de pára-quedas e que não falavam nem inglês nem português também não estavam à espera mas somos todos escuteiros portanto não houve quem não se desenrascasse.

Era já noite cerrada quando a Vera irrompeu pela porta da Casinha de vara na mão, acabadinha de fazer toda a viagem desde Anta e a declamar "VOCÊS SÃO MAZÉ DOIDOS PÁ!!" ou "NUNCA MAIS CÁ VOLTO!!". Passou-lhe depressa e ficámos à volta da mesa durante horas a contar as nossas habituais histórias da semana, os vídeos do YouTube do Raúl, as peripécias da Joana e a relembrar acampamentos antigos. É sempre o que fazemos quando nos vemos todos à volta da mesma mesa.

A noite passou-se bem (para os que apanharam a parte plana da tenda) e no dia seguinte fizemos a nossa manhã de serviço. Plantámos umas 60 árvores e rezámos 2 ou 3 vezes para que os javalis não as comessem (duvido). Antes do almoço fomos ao lago, quem teve coragem para tal, e depois dele rumámos a Regoufe, naquele que é para mim dos melhores percursos que já fiz pela beleza da paisagem que nos atinge como se nos estivessem a abanar a cabeça. Fico sempre de boca aberta e percorre-me sempre o pensamento de como sou sortuda (abençoada é mais a palavra mas pode soar demasiado cristão e há quem não fale essa língua). Penso nas pessoas que conheço e que não são escuteiras e sei que nunca terão visão igual. E mesmo que as imagine lá, nao vejo maneira de apreciarem aquela beleza, nem sequer de chegarem inteiras àquela montanha, porque estas vitórias e estes pontos altos conquistam-se ao longo dos anos com muito treino. Não só treino de montanha, até porque esse confesso que nem tenho tanto assim, mas treino de perserverança num objectivo, em ignorar o cansaço, em ter gosto por fazer coisas que dão uma satisfação que não se traduz em objectos, nem em euros nem sequer em qualquer tipo de reconhecimento. Traduz-se em alegria, em sentimentos que não se podem explicar aos leigos e sobretudo no enorme feito de olhar em volta e ver que são sempre as mesmas pessoas que estão comigo no cimo das montanhas. Durante 12 anos, mudam os sítios, as condições, as idades, mas seja no mais alto monte da Madeira entre a falésia e a ladeira, seja nos 43º dos descampados de Idanha-a-Nova, estejamos ou não munidos de atum e bolachas maria nos campos de Sta. Margarida, até mesmo em situações de emergência na Serra da Estrela ou, espero eu, no meio de um glaciar islandês, a paisagem distante muda muito mas a paisagem próxima de mim é sempre a mesma, vocês e Ele.

E guardo este relatório do resto do 2º e 3º dia para as fotos que sei que falarão por si.



A frescura das Tuas fontes deixa a minha vida cheia, MINHA TAÇA A TRANSBORDAR!!

4 comentários:

Clã 117 disse...

É muito bom quando sentimos que alguem partilha o mesmo sentimento que nós.. é mesmo verdade que durante estes anos tudo mudou, excepto o mais importnate que são as pessoas que fazem o caminho ao nosso lado.
Juntos venceremos e tornamo-nos inquebráveis xD

Rui

LinceActivo disse...

É verdade e é assim...

Raul disse...

Não tenho palavras =')
(Pareço uma pita)

Patrícia disse...

Grande post.